PPGPS PROGRAMA DE PÓS-GRADUAÇÃO EM PSICOLOGIA DA SAÚDE (PPGPS) INSTITUTO MULTIDISCIPLINAR EM SAÚDE Telefone/Ramal: Não informado

Banca de DEFESA: GABRIEL CALHAU SIMÕES

Uma banca de DEFESA de MESTRADO foi cadastrada pelo programa.
DISCENTE : GABRIEL CALHAU SIMÕES
DATA : 18/12/2023
HORA: 09:00
LOCAL: Plataforma zoom
TÍTULO:

OFICINAS TERAPÊUTICAS COM RECURSOS ARTÍSTICOS COMO DISPOSITIVO DE SUBJETIVAÇÃO: UM ESTUDO DE PESQUISA-AÇÃO EM CAPS II


PALAVRAS-CHAVES:

saúde mental; arte; psicologia da saúde


PÁGINAS: 127
RESUMO:

As Oficinas Terapêuticas (OTs) são uma das principais tecnologias de cuidado desenvolvidas no âmbito da reforma, pensadas como meio de promover inovações nas formas de cuidar e produzir processos de subjetivação. No presente momento, os CAPS e as oficinas vêm sofrendo processos de precarização na sua assistência. Há escassez de produções científicas que discutam as OTs e as diferentes formas de condução das atividades, sobretudo nos interiores do Brasil. Considerando este cenário, o presente estudo tem como objetivo geral discutir a utilização de recursos artísticos como estratégia de cuidado em uma oficina terapêutica em um serviço de saúde mental do tipo CAPS II, localizado no município de Jequié-Bahia, tendo sido desenvolvido no Mestrado Profissional em Psicologia da Saúde (IMS/UFBA), na linha de pesquisa Práticas Clínicas e Saúde Mental. Como objetivos específicos buscou-se: 1. Revisar bibliograficamente as produções acerca de oficinas terapêuticas com recursos artísticos em CAPS; 2. Construir coletivamente com os usuários do serviço uma oficina terapêutica com recursos artísticos; 3. Investigar o processo de implementação de uma OT que faz uso de recursos artísticos; 4. Analisar o que dizem os usuários sobre a experiência com arte na OT; 5. Elaborar juntamente com os usuários um produto final sobre os recursos artísticos a partir de um processo de pesquisa-ação. Em sua introdução, apresentamos, de maneira breve, as nuances de produção do trabalho e da investigação com OTs através de uma pesquisa-ação, seguido pelas justificativas e apresentação das problemáticas que dão sentido ao estudo. Depois, explicita no segundo capítulo os conceitos teóricos basilares da investigação, bem como o estado da arte da produção atual sobre OTs com recursos artísticos, em uma reflexão crítica sobre os modos de condução encontrados na revisão bibliográfica de caráter integrativo. No Capítulo de Metodologia, realiza-se a descrição e síntese do percurso metodológico e as questões que motivaram suas escolhas. Optou-se pelo recurso investigativo da pesquisa-ação no presente estudo, que pode ser resumido em 4 etapas que ordenam seu ciclo investigativo: Reflexão, Diagnóstico, Ação e Avaliação. Para cumprir essas etapas, o estudo utilizou da observação participante para se familiarizar com o ambiente e participantes do estudo, ao mesmo tempo que produzia uma revisão bibliográfica para nortear o bordejamento desta questão. A etapa de reflexão levou à tomada de decisão de realizar o desenvolvimento de um plano de ação com OTs junto aos usuários em uma roda de conversa, em uma produção coletiva. O reconhecimento da necessidade de retorno das OTs para o CAPS aliado a problemática denunciada pelos usuários acerca da assistência prestada, com ausência de atividades terapêuticas, levou a construção de um plano de ação mesclando  8 OTs de diferentes modalidades, realizadas entre maio e agosto de 2023: OT de Corte e colagem de revistas, OT com recurso musical, uma OT que objetivou uma visita ao cinema e o consumo de uma produção cinematográfica, duas oficinas executadas em compartilhamento com profissionais do serviço, uma OT de pintura, uma OT de poesia e uma última OT de fotografia. Ao final foi realizada uma nova roda de conversa de caráter avaliativo. Os dados de pesquisa foram produzidos e analisados através de gravações e da produção de um diário de campo e interpretadas à luz da análise de conteúdo de Bardin. Os resultados e discussão encontraram três categorias importantes para a discussão sobre os modos de condução de OTs: Dispositivo de Subjetivação, Máquina de Louco e AçõesAmbivalentes Desconexas, que serão melhor explicitadas no capítulo 4. Por fim, nas considerações finais, apresentamos algumas reflexões sobre o percurso de pesquisa-ação em um processo de autocrítica, de forma a explicitar os limites e potencialidades logrados pela pesquisa-ação, bem como o seu aspecto longitudinal que situa a investigação agora em um novo momento, decorrente deste primeiro ciclo investigativo que nasce no programa de mestrado profissional em Psicologia da Saúde.. O último capítulo, Apontamentos para um porvir, sintetiza diretrizes para a realização de OTs. Ao final, nos apêndices será apresentado o produto final resultado de um processo de OT construído coletivamente com os usuários.


MEMBROS DA BANCA:
Presidente - 1560720 - SUELY AIRES PONTES
Interna - 2356633 - MILENA MARIA SARTI
Externa ao Programa - 2289655 - VANIA SAMPAIO ALVES - UFBA
Notícia cadastrada em: 30/11/2023 04:15
SIGAA | STI/SUPAC - - | Copyright © 2006-2024 - UFBA