Banca de DEFESA: TAYLA DA CRUZ SANTOS PEREIRA

Uma banca de DEFESA de MESTRADO foi cadastrada pelo programa.
DISCENTE : TAYLA DA CRUZ SANTOS PEREIRA
DATA : 29/07/2020
HORA: 09:00
LOCAL: https://conferenciaweb.rnp.br/webconf/defesa-de-dissertacao-tayla-pereira-pmbqbm
TÍTULO:

ANÁLISE METABOLÔMICA DO PLASMA DE INDIVÍDUOS COM OSTEONECROSE SECUNDÁRIA À DOENÇA FALCIFORME


PALAVRAS-CHAVES:

Biomarcadores, metabolômica, plasma sanguíneo, ressonância magnética nuclear


PÁGINAS: 152
RESUMO:

A doença falciforme é a hemoglobinopatia mais frequente no Brasil e constitui problema de saúde pública mundial, com grande impacto na morbimortalidade da população acometida. Em portadores desta patologia a manifestação clínica articular predominante é a osteonecrose, que comumente evolui para doença terminal. Análises relacionadas a metabólitos e vias metabólicas desreguladas, em sistemas complexos, tornou-se uma ferramenta poderosa para investigar processos metabólicos, identificar potenciais biomarcadores e desvendar a reprogramação metabólica em várias doenças. Neste contexto, este trabalho teve como objetivo principal utilizar uma abordagem metabolômica por ressonância magnética nuclear para identificar biomarcadores relacionadas à doença falciforme, bem como, à osteonecrose secundária a doença falciforme. Foi utilizado o plasma sanguíneo de indivíduos controle e de portadores de doença falciforme sem e com osteonecrose. Baseado no estágio clínico da osteonecrose, graduado com o método modificado de Ficat e Arlet, as amostras foram classificadas como estágio inicial, intermediário e avançado de osteonecrose. Para a obtenção dos espectros uni e bidimensionais foi utilizado um equipamento de ressonância magnética nuclear - Bruker Avance III de 14,1 Tesla - (600 MHz). A otimização do protocolo de preparo de amostras e aquisição dos espectros envolveu a utilização de diferentes sequências de pulso; Zg, Zgpr, Lcipnf2, Noesypr 1D bem como alguns protocolos de precipitação de proteínas com metanol. A identificação dos metabólitos foi realizada com o auxílio do software Chenomx NMR Suite 8.4. O processamento e a quantificação foram realizados no software NMRProcflow. As análises estatísticas foram realizadas no software MetaboAnalyst 3.0. Vinte e nove metabólitos foram identificados por RMN 1H, incluindo 12 aminoácidos, 9 ácidos orgânicos, 4 lipídios, 3 compostos orgânicos, 1 carboidrato. O perfil metabólico do plasma sanguíneo do grupo controle foi significativamente distinto dos grupos falcêmico sem osteonecrose e falcêmico com osteonecrose. Vinte metabólitos com VIP score > 0,5 foram responsáveis pelas diferenças entre as amostras destes grupos. O Sn-glicerol-3-fosfocolina e a fenilalanina foram os metabólitos com os resultados mais promissores para futuras investigações de biomarcador de doença falciforme. O 3-hidroxibutirato e o VLDL+HDL foram os metabólitos com os resultados mais promissores para estudos futuros de biomarcador de osteonecrose secundária à DF. A análise de discriminante também revelou que o plasma dos portadores de osteonecrose secundária à DF em diferentes estágios de osteonecrose apresentam perfis metabólicos distintos. No plasma de sangue periférico quatorze metabólitos com VIP score > 0,5 foram responsáveis por esta diferença. A histidina e lactato foram os metabólitos com os resultados mais promissores para futuras investigações de biomarcador de estadiamento de osteonecrose secundária à doença falciforme, sobretudo para o diagnóstico precoce desta patologia em plasma de sangue periférico. A histidina, o VLDL + HDL e o citrato foram os metabólitos com os resultados mais promissores para futuras investigações de biomarcador de estágios avançados de osteonecrose secundária à doença falciforme em plasma de sangue periférico. Quinze metabólitos com VIP score > 0,5 foram classificados como o conjunto de metabólitos responsáveis pelas diferenças
entre o plasma de medula óssea de indivíduos em diferentes estágios de osteonecrose secundária à doença falciforme. O citrato foi o metabólito com o resultado mais promissor para futuras investigações de biomarcador de estadiamento de osteonecrose secundária à doença falciforme, sobretudo para o diagnóstico precoce desta patologia em plasma medula óssea. Já o lactato foi o metabólito com o resultado mais promissor para futuras investigações de biomarcador de estágios avançados de osteonecrose secundária à doença falciforme em plasma medula óssea. A análise topológica de vias metabólicas revelou potencial relação entre doença falciforme e osteonecrose secundária à DF e algumas vias metabólicas, nomeadamente; metabolismo do nitrogênio, do piruvato, da tiamina, da arginina e prolina, da fenilalanina; biossíntese de aminoacil t-RNA, da fenilalanina, da tirosina e triptofano, da valina, leucina e isoleucina; glicólise ou gliconeogênese; degradação de valina, leucina e isoleucina; síntese e degradação de corpos cetônicos. Estes resultados fornecem um forte evidência de uma assinatura metabólica para os indivíduos com doença falciforme e com osteonecrose secundária a DF, definida principalmente por um conjunto de vinte metabólitos com níveis alterados no plasma sanguíneo incluindo, prolina, lactato, creatina + creatinina, 2-hidroxi-3-metilbutírico, fenilalanina, glicina, acetona, formato, citrato, glicose trimetilamiona-n-óxido, histidina, tirosina, azelato, 3-hidroxibutirato, leucina + isoleucina, sn-glicerol-3-fosfocolina e acetato. Espera-se, que estes achados, ajudem a nortear futuras pesquisas na área e possa elucidar, ainda mais, as alterações bioquímicas na doença falciforme e na osteonecrose secundária a DF.


MEMBROS DA BANCA:
Presidente - 3768242 - PAULO ROBERTO RIBEIRO DE JESUS
Externo ao Programa - 2341233 - ELISANGELA VITORIA ADORNO
Externo à Instituição - ANTONIO GILBERTO FERREIRA - UFSCAR
Notícia cadastrada em: 04/08/2020 18:22
SIGAA | STI/SUPAC - - | Copyright © 2006-2020 - UFBA