PPGLITCULT PROGRAMA DE PÓS-GRADUAÇÃO EM LITERATURA E CULTURA (PPGLITCULT) INSTITUTO DE LETRAS Telefone/Ramal: Não informado

Banca de DEFESA: TATIANE ALMEIDA FERREIRA

Uma banca de DEFESA de DOUTORADO foi cadastrada pelo programa.
DISCENTE : TATIANE ALMEIDA FERREIRA
DATA : 22/06/2018
HORA: 14:00
LOCAL: Instituto de Letras
TÍTULO:

A CONSTRUÇÃO DA IMAGEM DA BAHIA TURÍSTICA EM BAHIA DE TODOS OS SANTOS: GUIA DE RUAS E MISTÉRIOS, DE JORGE AMADO


PALAVRAS-CHAVES:

Guia Turístico. Bahia de Todos os Santos. Jorge Amado. Imagem. Discurso.


PÁGINAS: 340
RESUMO:

A presente tese busca realizar uma leitura das imagens que ajudaram a construir a imagem turística da cidade do Salvador na obra Bahia de Todos os Santos: guia de ruas e mistérios, de Jorge Amado, a partir das suas principais edições, a primeira de 1945 ilustrada por Manuel Martins, e a edição de 1977, atualizada em seu texto verbal e ilustrada por Carlos Bastos. A obra vai sofrer mudanças a fim de acompanhar as transformações urbanas e culturais que se operavam na cidade do Salvador quando novas ações de incentivo à cultura e ao turismo foram pensadas para a cidade, bem como a efervescência cultural em torno da ideia de baianidade e a preocupação em criar um imaginário cultural e, consequentemente, uma imagem para a Bahia que serviria de fomento ao turismo. Partimos do pressuposto de que o escritor sempre idealizou uma imagem para a capital baiana, com a conjugação da paisagem arquitetônica e dos elementos humanos que a constituem, permitindo, portanto, investigações que entendam por que a imagem dessa cidade sempre foi uma preocupação para as elites econômicas, intelectuais, para os artistas, escritores, políticos e empresários. Pensando no recorte temático para a pesquisa, buscamos responder as seguintes questões: De que modo o diálogo entre a palavra e a imagem ajudaram na construção da imagem turística da Bahia no guia Bahia de Todos os Santos? Como os contextos históricos de 1945 e 1977 influenciaram na criação de uma imagem fixa para a Bahia? Como cada ilustrador fez essa leitura da Bahia criada por Jorge Amado? O que é apresentado nas representações ora real, ora ficcional e imagética leva à manutenção do discurso criado sobre a Bahia em representações contemporâneas? Por esse viés, a discussão aqui proposta se debruça sobre as visões empreendidas pelo guia turístico de Jorge Amado, em suas duas edições, que mesclam realidade e ficção quando poetizam, ficcionalizam os espaços da cidade em alguns momentos. Utilizamos essas narrativas para compreender como o olhar sobre ela foi construído. Na busca por respostas, este trabalho tem uma vertente interdisciplinar e transdisciplinar, ao fazer as leituras interpretativas da obra tomando às considerações críticas e teóricas dos estudos urbanos e arquitetônicos, dos Estudos Culturais, dos estudos foucaultianos sobre análise arqueológica do discurso, com a sua abordagem histórica, cujas categorias principais são o discurso e o enunciado que serviram para compreender de que modo o conteúdo escrito do guia se apresenta nas imagens das capas e nas ilustrações do livro, bem como para apresentar uma leitura do discurso criado no diálogo entre o texto verbal e os textos visuais, para verificar as repetições de uma imagem sobre a Bahia nas diferentes edições do livro e em seu diálogo com as representações contemporâneas. A obra incita diversos caminhos de interpretação e fomos conduzidos por ela a tecer algumas provocações que foram auxiliadas pelas reflexões de Derrida e Deleuze para pensar outras questões, na tentativa de realizar outras leituras dessa cidade que existe em sua forma concreta, mas que também habita o imaginário das pessoas sendo tão real quanto, porque se constituiu como verdade. O que percebemos nessa obra é o fato de o escritor se preocupar em fixar uma imagem para a cidade do Salvador em dois períodos: na década de 40 e na década de 70 em conformidade com o contexto histórico-cultural. A pesquisa permitiu identificar nas obras do corpus, cruzando com as propagandas governamentais para o turismo, a presença de uma regularidade discursiva sobre a imagem de Salvador a partir da edição de 77, retratando a cidade como cartão-postal e lócus da cultura negro-mestiça singular e autêntica, impulsionada pela festa cotidiana e pelo encantamento. A imagem construída no livro de 45 denunciava uma urbe desigual, degradada e miserável tanto nos segmentos mais pobres da sociedade quanto na destruição de seu acervo arquitetônico, por isso o escritor vai mudar, vai reconstruir a imagem da cidade na edição atualizada, justamente para fazer a Bahia se firmar como polo turístico e entrar na concorrida rota internacional.


MEMBROS DA BANCA:
Presidente - 1064696 - ALVANITA ALMEIDA SANTOS
Interno - 2522438 - SUZANE LIMA COSTA
Externo à Instituição - ALBERTO ROIPHE - UFS
Externo à Instituição - MARCOS AURELIO DOS SANTOS SOUZA - UNEB
Externo à Instituição - IVIA IRACEMA DUARTE ALVES - UFBA
Notícia cadastrada em: 22/04/2019 15:36
SIGAA | STI/SUPAC - - | Copyright © 2006-2020 - UFBA