Banca de QUALIFICAÇÃO: LIBÂNIA DA SILVA SANTOS

Uma banca de QUALIFICAÇÃO de MESTRADO foi cadastrada pelo programa.
DISCENTE : LIBÂNIA DA SILVA SANTOS
DATA : 04/04/2022
HORA: 14:00
LOCAL: formato virtual
TÍTULO:

“Huma obra ímpia e sediciosa”: análise de autoria mecânica e edição semidiplomática de documento apreendido no contexto da Conjuração Baiana


PALAVRAS-CHAVES:

Conjuração Baiana; Paleografia; Diplomática; História; Filologia Textual; Hermógenes Pantoja.


PÁGINAS: 110
RESUMO:

Peter Burke (1992), historiador inglês, ao tratar sobre a importância da adoção de posturas e metodologias que previnam a ocorrência de equívocos interpretativos, avalia que para uma correta interpretação do conteúdo escrito é essencial a compreensão e domínio dos signos e demais aspectos que compõem um documento manuscrito. Insere-se, neste contexto, a relevância e potencialidade investigativa do trabalho filológico, das ações de leitura, transcrição e análise diplomático-paleográfica destes escritos, pois como aborda Celso Cunha (2004), “[...] um manuscrito só é plenamente aproveitável depois de ‘caracterizado’, de sofrer um exame minucioso do ponto de vista codicológico e diplomático”, e os resultados deste exame serão muito mais ricos quando realizados também com as ferramentas teóricometodológicas da história, apresentando e correlacionando elementos que – somados com os frutos das interpretações produzidas a partir da semântica e discursividade dos textos –possibilitarão o aprofundamento de análises em nuances como as dos “jogos” de poder e dinâmicas de atuação das instituições e sujeitos históricos. Portanto, o objetivo deste trabalho é, a partir da análise da materialidade do manuscrito BR BAAPEB TJBA SRB CAD 577/01 do Arquivo Público do Estado da Bahia e manuscritos complementares realizar um estudo de caso acerca da participação do tenente Hermógenes Francisco de Aguillar Pantoja na Conjuração Baiana, demonstrando aspectos das dinâmicas relacionadas entre poder e justiça na Bahia colonial de fins do século dezoito. Tal estudo foi conduzido tomando por base primordial o referido manuscrito BR BAAPEB TJBA SRB CAD 577/01 e as assinaturas contidas na devassa instaurada para identificar a autoria dos boletins afixados em locais públicos, em 12 de agosto de 1798. Resultando em vasto conjunto documental contando com elementos como, por exemplo, a considerada “subversiva” cópia, traduzida de francês para português de trechos do livro Les Ruines de Palmira, ou méditation sur les révolutions des empires,
de autoria do filósofo francês Constantin-François Chassebœuf (Volney), o manuscrito hoje de notação BR BAAPEB TJBA SRB CAD 577/01 possuía a letra do Tenente Hermógenes, conforme acusação e conclusão dos peritos do Tribunal da Relação da Bahia. A metodologia usada na pesquisa é a construção de uma análise filológica que, articulada com conhecimentos paleográficos, históricos e diplomáticos, apresenta toda a complexidade e a riqueza dos registros textuais e, ao mesmo tempo, constitui, partindo do maior número possível de testemunhos, uma adequada leitura, transcrição e interpretação das escritas, e dos demais aspectos extrínsecos. De posse desses dados, percebe-se que existe uma possibilidade de estudo da cursividade, do peso da escrita, das inclinações dos instrumento e das mão do 
scriptor; bem como a avaliação das características dos suportes – a saber, o papel – como colorações, existência ou não de marcas d’água, e dos aspectos sociolinguísticos, para firmação da suposição inicial sobre quem foi o autor mecânico da cópia do texto iluminista. Dessa forma, conclui-se que a filologia, para além de suas contribuições para estudos do texto, quando articulada com outras ciências consegue embasar novos campos de estudo,
como é o caso da
paleografia forense.


MEMBROS DA BANCA:
Presidente - 2509662 - ALICIA DUHA LOSE
Interno - 2703693 - ARIVALDO SACRAMENTO DE SOUZA
Externo à Instituição - RODRIGO BENTES MONTEIRO
Notícia cadastrada em: 01/04/2022 09:27
SIGAA | STI/SUPAC - - | Copyright © 2006-2022 - UFBA