Banca de DEFESA: ANA CAROLINA MENDONÇA DE SOUSA PENELUC

Uma banca de DEFESA de MESTRADO foi cadastrada pelo programa.
DISCENTE : ANA CAROLINA MENDONÇA DE SOUSA PENELUC
DATA : 13/02/2020
HORA: 09:00
LOCAL: Faculdade de Ciências Contábeis
TÍTULO:

Avaliando o value relevance das informações contábeis, após adoção das IFRS no Brasil


PALAVRAS-CHAVES:

IFRS, normas internacionais, value relevance, relevância, governança corporativa


PÁGINAS: 99
RESUMO:

Em 2008, começou o processo de convergência das normas contábeis brasileiras aos padrões internacionais do International Accounting Standards Board (IASB). Entretanto, somente em 2010, a adoção dessas normas tornou-se obrigatória. Com isso, uma linha de pesquisa, já muito discutida em outros países, passou a interessar aos pesquisadores brasileiros: a análise do value relevance das informações contábeis, após adoção das normas internacionais. A partir daí, diversos estudos foram realizados sobre essa temática, porém obtendo resultados divergentes e ainda deixando algumas lacunas. Desse modo, o presente trabalho tem o objetivo de comparar a relevância das informações contábeis antes e depois do início do processo de adoção das normas internacionais no Brasil, na tentativa de preencher algumas lacunas existentes na literatura e de dirimir as divergências dos resultados encontrados em pesquisas anteriores. Para tanto, serão utilizados dois modelos de preço e retorno derivados do modelo de Ohlson (1995), os quais relacionam as variáveis contábeis (lucro e patrimônio líquido) com as variáveis de mercado (preço e retorno), além de acrescentar, como variável de controle, o nível de governança corporativa. Foram analisadas 1.713 observações de 73 empresas, de capital aberto, listadas na bolsa de valores brasileira B3 S.A., em um período amplo e atual de 2002 a 2018. Os resultados encontrados sugerem ter havido um aumento do poder preditivo das variáveis contábeis lucro e patrimônio líquido no comportamento do preço e retorno das ações. Porém o lucro se destacou, pois teve uma variação maior. No entanto, os coeficientes da variável de controle, nível de governança corporativa, não foram significativos, impedindo, assim, uma análise teórica sobre a influência dessa variável no comportamento do mercado de capitais brasileiro.


MEMBROS DA BANCA:
Presidente - 1523738 - JOSE MARIA DIAS FILHO
Externo à Instituição - MIGUEL ANGEL RIVERA CASTRO - UNIFACS
Interno - 2346797 - SHEIZI CALHEIRA DE FREITAS
Notícia cadastrada em: 13/02/2020 08:17
SIGAA | STI/SUPAC - - | Copyright © 2006-2020 - UFBA