Banca de DEFESA: CAROLINE VIEIRA GONÇALVES

Uma banca de DEFESA de MESTRADO foi cadastrada pelo programa.
DISCENTE : CAROLINE VIEIRA GONÇALVES
DATA : 11/06/2021
HORA: 09:00
LOCAL: Instituto Multidisciplinar em Saúde
TÍTULO:

INFLAMMAGING E TECIDO ADIPOSO: NOVOS OLHARES EM HOMENS IDOSOS DIABÉTICOS E HIPERTENSOS


PALAVRAS-CHAVES:

 Idosos, Diabetes mellitus tipo 2, Hipertensão arterial sistêmica, Sobrepeso.


PÁGINAS: 104
RESUMO:

INTRODUÇÃO/OBJETIVO: A combinação de crescentes riscos metabólicos e envelhecimento da população, provavelmente, continuará a impulsionar as tendências crescentes de Doenças Crônicas não Transmissíveis (DCNT) em nível global. Devido à alta mortalidade na população idosa, a hipertensão arterial sistêmica (HAS) e o diabetes mellitus tipo 2 (DM2) são DNCT de grande relevância. Essas doenças, apesar dos diferentes órgãos e sistemas envolvidos, têm um fator de risco comum: em geral, inflamação clinicamente silenciosa de baixo grau. Esta inflamação tem como fator preponderante o excesso de tecido adiposo. Nesse sentido, este trabalho teve como finalidade o estudo ampliado de marcadores antropométricos, bioquímicos e inflamatórios de homens idosos com HAS e DM2. MÉTODOS: O estudo envolveu a avaliação de 49 homens com idades entre 60-80 anos, portadores de HAS e DM2. Os grupos foram divididos de acordo com o IMC, em idosos com eutrofia (IE, n= 24) ou idosos com sobrepeso (IS, n= 25). Dados antropométricos foram coletados com a análise de bioimpedância, enquanto os dados inflamatórios e bioquímicos foram realizados a partir da coleta sanguínea. Os soros obtidos foram avaliados por ensaios enzimáticos. RESULTADOS: Apesar da maioria dos idosos realizarem tratamento medicamentoso para diabetes e hipertensão, eles não tinham os níveis glicêmico e pressórico controlados. Idosos com sobrepeso apresentaram maior índice glicêmico (p=0,0201). Todos os dados antropométricos analisados apresentaram diferenças estatísticas significativas, quando comparados entres os grupos. Houve aumento da maioria dos marcadores antropométricos em idosos com sobrepeso. Em contrapartida, nesse mesmo grupo, houve diminuição nos valores de massa magra (p<0,0001), massa óssea (p<0,0001), água (p<0,0001) e metabolismo basal (p=0,001). Idosos com excesso de peso apresentaram maiores médias para todas as citocinas inflamatórias analisadas. Estas incluem IL-17A (p=0,0154), IL-1β (p=0,0376), INF-y (p=0,0442) e TNF-α (p=0,0064). Em contrapartida, houve diminuição da citocina anti-inflamatória IL-10 (p=0,0367) em idosos com sobrepeso. Além disso, observamos o aumento da relação IL-10/IL-17A em idosos com eutrofia em relação aos idosos com sobrepeso. Os padrões de correlações paras as variáveis bioquímicas, inflamatórias e de composição corporal são distintas entre os grupos. Em um contexto amplo, as correlações são mais intensas em idosos com eutrofia, principalmente no que concerne as variáveis inflamatórias e a variável de massa gorda. CONCLUSÃO: Apesar dos idosos com sobrepeso terem uma exacerbação dos parâmetros inflamatórios, vimos que a intensidade de suas correlações com os parâmetros antropométricos e bioquímicos se torna menos evidente. Além disso, constatamos que o padrão de influência dessas citocinas é bem distinto em relação a composição corporal.


MEMBROS DA BANCA:
Presidente - 2497915 - ROBSON AMARO AUGUSTO DA SILVA
Interno(a) - 2312625 - LILIANY SOUZA DE BRITO AMARAL
Externo(a) à Instituição - DENISAR PALMITO DOS SANTOS
Notícia cadastrada em: 15/06/2021 13:53
SIGAA | STI/SUPAC - - | Copyright © 2006-2022 - UFBA