Banca de DEFESA: LUCAS MONTEIRO SANTOS

Uma banca de DEFESA de MESTRADO foi cadastrada pelo programa.
DISCENTE : LUCAS MONTEIRO SANTOS
DATA : 20/03/2020
HORA: 08:30
LOCAL: Sala 01 do Instituto de Saúde Coletiva
TÍTULO:

Associação entre Programas de Transferência de Renda e o desenvolvimento cognitivo de crianças com a Síndrome Congênita associada ao vírus Zika


PALAVRAS-CHAVES:

Desenvolvimento cognitivo; Vírus Zika; Transferências de renda.


PÁGINAS: 57
RESUMO:

A Síndrome Congênita associada ao vírus Zika compõe uma série de alterações neuroanatômicas que afetam crianças cujas mães tenham sido infectadas durante a gestação. Provocando diversas alterações estruturais no Sistema Nervoso Central, presume-se que a Síndrome possa ocasionar efeitos devastadores ao desenvolvimento da função cognitiva durante a primeira infância. Diversos elementos estão ligados ao desenvolvimento cognitivo na primeira infância e dentre eles um dos mais importantes é a renda, que pode estar associada com a estimulação no ambiente domiciliar. Houve nas últimas décadas queda significativa na desigualdade social e aumento na renda média da população que, dentre outros fatores, foram impactados pelos Programas de Transferência de Renda, como o Programa Bolsa Família (PBF) e o Benefício de Prestação Continuada (BPC). A população afetada pelo vírus Zika foi, em sua maioria, de pessoas vivendo em situação de vulnerabilidade e supõe-se que a dupla carga de pobreza a que essa população está exposta afete negativamente o desenvolvimento da função cognitiva, que pode ser amenizada através da concessão de Programas de Transferência de Renda. Objetivo: Avaliar a associação entre programas de transferência de renda, características socioeconômicas da família e do ambiente domiciliar com o desenvolvimento cognitivo na primeira infância em crianças de Salvador/BA que nasceram com a Síndrome Congênita associada ao vírus Zika. Métodos: Estudo exploratório de tipo transversal aninhado a uma coorte prospectiva que avalia o desenvolvimento de crianças que nasceram em Salvador, Bahia durante a epidemia do vírus Zika. Foram avaliadas durante a linha de base 147 crianças cujas mães tinham sorologia negativa para STORCH e confirmadas para a Síndrome Congênita do vírus Zika segundo os critérios adotados pelo Ministério da Saúde, em investigação conduzida pelo serviço de vigilância epidemiológica de Salvador. Foram avaliadas características socioeconômicas dos cuidadores e das famílias, a qualidade da estimulação no ambiente domiciliar através do inventário HOME e o desempenho cognitivo através da escala Bayley-III. Foram realizadas análises descritivas, bivariadas e multivariadas para explorar as variáveis associadas ao desempenho cognitivo. Resultados: Observou-se que 71,4% das crianças apresentavam o desempenho cognitivo abaixo do esperado para a idade. Além disso, apenas 50,3% das crianças eram beneficiárias do BPC e 30,6% participavam do PBF. No modelo multivariado observou-se associações estatisticamente significantes com o desempenho cognitivo para as o trabalho do cuidador (OR 4,53 IC95% 1,05 – 19,4) e para o PBF (OR 12,01 IC95% 2,13 – 68,7) dentre as crianças que não recebiam o BPC. Não se encontrou associação entre as variáveis de estímulo no ambiente domiciliar com o desempenho cognitivo. Na análise bivariada, identificaram-se diferenças estatisticamente significantes entre o desempenho cognitivo e o BPC (p<0,000), o PBF (p<0,000), o trabalho da cuidadora (p<0,003) e para a renda familiar (p<0,001). Foram realizadas novas análises bivariadas entre o BPC e as variáveis socioeconômicas e do ambiente domiciliar. Notou-se associação para o trabalho da cuidadora (p<0,000) e renda familiar (p<0,000), mostram que há diferenças entre os grupos que recebem e que não recebem o BPC. Conclusões: Programas de transferência de renda podem contribuir para o desenvolvimento da função cognitiva na primeira infância de crianças com a SCZV. Os resultados podem contribuir com o fortalecimento de políticas públicas voltadas para a proteção social, especialmente para aqueles com deficiência múltipla.


MEMBROS DA BANCA:
Interno - 2286127 - DARCI NEVES DOS SANTOS
Presidente - 2483956 - LETICIA MARQUES DOS SANTOS
Externo à Instituição - TIAGO NEUENFELD MUNHOZ
Notícia cadastrada em: 10/03/2020 15:21
SIGAA | STI/SUPAC - - | Copyright © 2006-2020 - UFBA